Creation Science News


Líderes religiosos criticam afirmações de Hawking
03/09/2010, 8:19 PM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

[Negrito – “Grifo Nosso”] O arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, e outros líderes religiosos britânicos criticaram o astrofísico Stephen Hawking por dizer, em seu novo livro The Great Design (“O Grande Projeto”, em tradução literal), que está no prelo, que Deus não terá sido o criador do Universo.

Manchete no jornal The Times

Acreditar em Deus não consiste em “explicar como umas coisas se relacionam com as outras no Universo, mas sim com a crença de que existe um agente inteligente e vivo de cuja actividade depende, em última instância, tudo o que existe”, declarou o líder anglicano ao diário The Times.

“A física, por si só, não resolverá a questão de porque existe algo em lugar de nada”, acrescentou Williams.

Por seu lado, o rabino Jonathan Sacks assinala, num artigo publicado hoje no mesmo diário, que “a ciência trata de explicar e a religião de interpretar” e que “à Bíblia não interessa como se criou o Universo”.

“A ciência desarticula as coisas para ver como funcionam. A religião junta-as para ver o que significam. São dois trabalhos distintos. Até ocupam diferentes hemisférios do cérebro”, sublinhou Sacks.

O arcebispo de Westminster e bispo primaz da Igreja Católica de Inglaterra e Gales, Vincent Nichols, disse subscrever totalmente as palavras do rabino chefe sobre a relação entre religião e ciência.

Também o presidente do Conselho Islâmico do Reino Unido, Ibrahim Mogra, atacou as teses de Stephen Hawking e disse: “Se olharmos o Universo, tudo aponta para a existência de um criador que lhe deu origem.”

Da mesma forma que o darwinismo tinha, no passado, rejeitado a necessidade de um criador no campo da biologia, também o conhecido astrofísico britânico argumenta agora que as mais recentes teorias científicas rejeitam o papel de um criador do Universo.

Stephen Hawking afirma que o Big Bang — a grande explosão que originou o mundo — terá sido uma consequência inevitável das leis da física, o que contradiz a teoria que o cientista tinha defendido no passado, no livro “Uma Breve História do Tempo”, publicado em 1998.

Stephen Hawking - Físico afirma que 'criação espontânea é a razão pela qual existe algo'

Nessa obra, Hawking sugeria que não existia qualquer incompatibilidade entre a existência de um Deus criador e a compreensão científica do Universo, chegando mesmo a afirmar que, se a comunidade científica chegasse a descobrir a teoria completa, tal “seria o triunfo definitivo da razão humana”, já que, nesse altura, “seria possível conhecer a mente de Deus”.

No novo livro, intitulado “The Grand Design” e que estará à venda a partir de 09 de Setembro, precisamente uma semana antes da visita do papa Bento XVI ao Reino Unido, o astrofísico sustenta que a ciência moderna não deixa lugar à existência de um Deus criador do Universo.

O cientista sustenta o seu argumento no facto de ter sido observado, em 1992, um planeta que girava em torno de uma estrela distinta do Sol, o que comprova a possibilidade de existirem outros planetas e universos.

Ora, se a intenção de Deus era criar o Homem, os restantes universos seriam redundantes – assinala Hawking.

O conhecido biólogo ateu Richard Dawkins felicitou já o astrofísico britânico pelas conclusões, dizendo que a opinião de Hawking é partilhada por uma grande parte da comunidade científica.

Fonte: Telegraph e DN Ciência (português)



Stephen Hawking: “Deus é desnecessário para explicar a criação”
03/09/2010, 7:51 PM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

[Obs.: Comentário em verde “Grifo Nosso” – Por Daniel F. Zordan] O cientista Stephen Hawking afirma em seu novo livro The Great Design (“O Grande Projeto”, em tradução literal), “Deus não criou o Universo e o Big Bang foi uma consequência inevitável das leis da física”. Para Hawking a física moderna descarta a participação de Deus na origem do Universo.

sthephen hawking - não mudou de ideia em relação a DEUS (fonte: The Times)

Trechos do livro foram publicados essa semana pelo jornal britânico The Times, Hawking afirma que “a criação espontânea é a razão pela qual existe algo em vez de nada, para que o Universo exista, para que nós existamos.” [Se é criação, como pode ser espontânea? Gostaria de saber como funciona a criação espontânea.  Qual a origem? – Qual a origem da “matéria e energia”? – pois até agora o que ele e outros cientistas afirmaram foram apenas suposições incógnita.]

Hawking ainda salienta “Porque existe uma lei como a gravidade, o Universo pode e deve criar-se a partir do nada.” [Parece brincadeira, não acredito que ele foi capaz de dizer essa besteira. Se é a partir do nada, como pode existir a gravidade antes do nada? – Se existisse a gravidade antes do nada, de onde e como surgiu a gravidade? – do nada? – ela é eterna? – Gravidade é à força de atração mútua que os corpos materiais exercem uns sobre os outros. Como que sem nada, sem matéria é possível ter gravidade? É lamentável que o brilhante cientista não explique como, quem ou porquê ‘homologou’ a lei da gravidade, apenas diz que em algum momento; por acaso tudo começou.]

O físico Stephen Hawking em cerimônia de abertura de Instituto de Física Teórica em Kitchener (Ontário, Canadá)

Hawking diz “Não é necessário invocar Deus para acender o pavio e pôr o Universo em movimento”. [Ele não pode estar falando sério, Deus não poderia ser o autor da criação, mas a geração espontânea sim. Grandiosa a vossa fé.]

Em seu último livro, ele diz que a descoberta, em 1992, de um planeta em órbita de outra estrela além do Sol ajudava a desconstruir a visão de que o universo não poderia ter surgido do caos, mas foi criado por Deus. “Isso faz as coincidências de nossas condições planetárias — um único Sol, uma combinação de sorte de uma distância entre a Terra e o Sol e a massa solar, muito menos impressionante, e evidência muito menos convincente de que a Terra foi criada cuidadosamente apenas para agradar aos seres humanos”, diz ele no livro.

Os trechos indicam uma aparente mudança de opinião em relação a uma das obras mais conhecidas de Hawking. Em seu livro Uma Breve História do Tempo, publicado em 1988, o cientista sugeria que a idéia de uma criação divina seria compatível com uma compreensão científica do Universo.

“Se nós descobrirmos uma teoria completa, será o triunfo definitivo da razão humana – pois então nós deveremos conhecer a mente de Deus”, escreveu então o cientista.  [O que será que se passa na cabeça de Hawking? Seria possível ele estar sendo manipulado: – todos nós sabemos que o nome Stephen Hawking se tornou uma marca que vende milhares de livros em todo mundo (Uma Breve História do Tempo teve mais de 9 milhões de cópias vendidas em todo o mundo). Poderia ser uma forma de seu nome não cair em esquecimento? De tempos em tempos aparecem publicações em jornais falando dele, basta Hawking dizer uma abobrinha e já esta sendo publicado na mídia. Estou a acreditar que muitas dessas publicações não sejam de sua vontade, apenas Marketing]

Veja também: Líderes religiosos criticam afirmações de Hawking



ARQUEOLOGIA: Templo Moabita de 3.000 anos é encontrado na Jordânia
03/09/2010, 4:25 AM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

O chefe do Departamento de Antiguidades Ziad al-Saad anuncia a descoberta, durante uma conferência de imprensa em Amã, na Jordânia.

Arqueólogos desenterraram na Jordânia um templo construído há 3.000 anos, na Idade do Ferro, com uma coleção de estatuetas de deuses antigos e vasos circulares de barro usados em rituais religiosos.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira por cientistas. O chefe do Departamento de Antiguidades da Jordânia, Ziad al-Saad, afirmou que o santuário é do século 8 a.C. e foi descoberto em Khirbat ‘Ataroz, próximo à cidade de Mabada, a aproximadamente 32 quilômetros da capital, Amã.

Ele afirmou que o complexo possui uma sala principal que mede 36 metros quadrados, além de duas antecâmaras e de um pátio aberto.

De acordo com al-Saad, o santuário e seus artefatos –feitos de calcário e basalto ou esculpidos em barro e bronze– mostram os complexos rituais religiosos do antigo reino bíblico de Moab, na Jordânia.

“Hoje nós temos a evidência material, a prova arqueológica do nível de desenvolvimento da tecnologia e da civilização daquele período”, afirmou.

Os moabitas, cujo reino se estendia pela costa montanhosa do Mar Morto, no território que hoje é a Jordânia, eram intimamente relacionados com os israelitas, embora os dois povos estivessem frequentemente em conflito. Em 582 a.C, os babilônios conquistaram o reino.

Figuras religiosas encotradas no local

Os arqueólogos também desenterraram cerca de 300 vasos, estatuetas de divindades e artefatos usados nos rituais do local. Al-Saad afirmou que é raro encontrar tantos itens da Idade do Ferro no mesmo sítio.

As escavações começaram em Khirbat ‘Ataroz em 2000, com a cooperação da Universidade de La Sierra, da Califórnia. A maioria dos objetos, no entanto, só foi descoberta nos últimos meses.

Entre os itens expostos nesta quarta-feira, há uma estatueta do deus Hadad, assim como delicados vasos de barro usados nos rituais sagrados.

Al-Saad afirmou que os objetos indicam que os moabitas adoravam vários deuses diferentes e que tinham um uso ritual dos templos altamente organizado.

Fonte: The Jordan Times



Leoa não come carne, apenas vegetais e espaguete
03/09/2010, 12:51 AM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

São todos os leões carnívoros ferozes que precisam comer carne para sobreviver? Aparentemente não!

A revista australiana “Creation ex-nihilo” vol. 22, nº 2, de março-maio de 2000 publicou um artigo de David Catchpoole com o título acima, que não só apresenta um caso, real, inteiramente incomum, como também aponta para o cumprimento de profecias que falam da restauração de nosso planeta às condições originais, com o leão e o cordeiro pacificamente pastando juntos!

No começo deste século, uma leoa africana, nascida e crescida nos Estados Unidos, viveu todos os nove anos de sua vida sem jamais comer carne. De fato, seus donos, Georges e Margaret Westbean, preocupados com publicações de cunho científico advertindo que os animais carnívoros não poderiam viver sem comer carne, tentaram de todos os modos induzir o seu incomum animal de estimação (ao qual deram o nome de “Little Tyke”) a desenvolver o apetite pela carne.

Chegaram até a anunciar uma recompensa em dinheiro para quem conseguisse elaborar uma ração contendo carne, que a leoa aceitasse. O curador de um jardim zoológico de Nova York aconselhou que o casal Westbean pusesse algumas gotas de sangue na mamadeira de Little Tyke para ajudá-la a se acostumar, mas a leoa, ainda pequena, recusou sequer tocá-la, mesmo quando somente uma única gota de sangue tivesse sido introduzida.

Os mais famosos especialistas em animais, dentre os numerosos visitantes da fazenda Hidden Valley, de 40 hectares, dos Westbeans, também deram vários conselhos, mas nenhum deles funcionou. Nesse meio-tempo, Little Tyke continuava a passar extremamente bem, com sua dieta de cereais em grão, cozidos, ovos e leite. Aos quatro anos de idade, a leoa, já adulta, pesava 160 quilos.

Como escreve Georges Westbean, foi um jovem visitante à fazenda do Hidden Valley que finalmente despertou a sua mente quanto à resposta da questão de como induzir Little Tyke a comer carne (o que se achava ser essencial para a sobrevivência dos carnívoros): ‘Ele voltou seu olhar para mim, seriamente, e perguntou: Você não lê a sua Bíblia? Admiti que não a lia tanto quanto provavelmente deveria.

Então continuou ele: Leia Gênesis 1:30, e Você encontrará a resposta. Na primeira oportunidade, peguei minha Bíblia e procurei a passagem que ele havia indicado. Para minha total surpresa, li estas palavras: “E a todo animal na terra, e a toda ave no céu, e a tudo que rasteja sobre a terra, em que existe vida, dei-lhes a erva verde para alimento (em Inglês meat, que também significa carne); e assim foi.”

Os donos de Little Tyke, embora aparentemente não sendo cristãos, aceitaram tanto o que leram, que não mais se preocuparam com a recusa da leoa a comer carne, e passaram a procurar aprimorar a sua “dieta vegetariana”, com novos cereais a serem incorporados ao alimento dela. Numerosos cereais foram moídos e misturados ainda secos, então cozidos e adicionados ao leite e aos ovos.

A leoa passou a alimentar-se com essa ração todas as manhãs e as tardes, e às vezes ao meio-dia também. Para a saúde de suas gengivas e dentes – pois ela recusava todos os oferecimentos de ossos para roer – foram-lhe dadas pesadas botas de borracha para mastigar, que duravam em geral cerca de três semanas. Com essa dieta, a leoa não só sobreviveu, mas manteve-se em excelente estado. Um dos ‘mais capazes curadores de jardins zoológicos’ dos Estados Unidos teria dito que ela era o melhor espécime de sua espécie, que jamais houvera visto.

Além de Little Tyke, os Westbans criavam também outras espécies de animais em sua fazenda. Um grande número de visitantes em Hidden Valley foi motivado pela perspectiva de ver o leão vivendo com o cordeiro, em situação semelhante à da profecia de Isaías 11:6. Ver a leoa vivendo placidamente em companhia de ovelhas, vacas e aves domésticas, causava profunda impressão em
muitos visitantes.

Filmes na televisão e fotografias de Little Tyke na imprensa também impressionaram muitas pessoas, como uma que escreveu: Nada me fez mais contente do que a sua fotografia do leão e do cordeiro. Ela me ajudou a crer na Bíblia.

A leoa ficou conhecida como a “Garota do Espaguete”, por causa do seu prato favorito, espaguete

À luz deste caso de Little Tyke, e de outros relatos de animais carnívoros sobrevivendo com base em dietas vegetarianas, certamente é mais fácil reportar-se ao relato de Gênesis relativo aos animais vivendo exclusivamente em regime vegetariano anteriormente à queda.

A observação feita por Georges Westbean de que para manter bem o seu estômago, Little Tyke passava cerca de uma hora comendo o suculento capim dos pastos, e também uma vívida lembrança das profecias de Isaías 11:7 e 65:25: “… o leão comerá palha como o boi.”

.

Veja mais detalhes AQUI