Creation Science News


Fóssil de 525 milhões de anos conserva anatomia de criatura
26/03/2011, 2:55 PM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

Criatura tinha carapaça que protegia partes mais delicadas como tentáculos; na foto, o fóssil encontrado

Um fóssil de 525 milhões de anos descoberto na província chinesa de Yunnan contém detalhes anatômicos raros de uma criatura marinha, o Galeaplumosus abilus, que pertence ao filo dos hemicordados.

Bem preservado, o fóssil possui uma carapaça que protege partes mais delicadas como vários pares de tentáculos que foram usados para coletar alimentos –os plânctons.

A descoberta, retratada na versão on-line do “Current Biology”, pode dar indicações sobre a evolução dos vertebrados.

Referência:

1. Xian-guang Hou, Richard J. Aldridge, David J. Siveter, Derek J. Siveter, Mark Williams, Jan Zalasiewicz, Xiao-ya Ma A pterobranch hemichordate zooid from the lower Cambrian “An Early Cambrian Hemichordate Zooid” (Current Biology, 24 March 2011 DOI: 10.1016/j.cub.2011.03.005) (Em PDF)

——————————————————

COMENTÁRIO:

Por Daniel F. Zordan

Alguns detalhes que não podem passar despercebidos.  Os pesquisadores afirmam que os tecidos moles e os detalhes anatômicos de hemicordados são extraordinariamente raros. Além de afirmarem que não encontraram nenhuma evidencia concreta do tronco de Galeaplumosus abilus. Algumas análises indicam que o Pterobranchia poderia ter surgido antes do esperado, mas isso por si só não é evidência de sequencia filogenética. Mas se confirmada, tanto os Pterobranchia e enteropneusta teriam surgido no Cambriano Médio.

“However, records of the soft tissues of fossil hemichordates are exceedingly rare and lack clear anatomical details [..] Records of possible fossilized hemichordate zooids and associated soft tissues are exceedingly rare […] We cannot find any firm evidence for a trunk in G. abilus, but presumably it extended into the tube from the base of the arms or apertural margin. [..] It does indicate that the pterobranch body plan had been developed early, at least by the time of the Cambrian radiation, but this, in itself, is not evidence of phylogenetic sequence. […] if confirmed, it would indicate that the origin of both pterobranchs and enteropneusts preceded the middle Cambrian.” [“Grifo nosso”]

O professor David Siveter  do departamento de geologia da Universidade de Leicester, disse que a preservação dos tecidos moles é algo “surpreendente”:

Amazingly, it has exceptionally preserved soft tissues — including arms and tentacles used for feeding — giving unrivalled insight into the ancient biology of the group.” Science Daily [“Grifo nosso”]

Conclusão: Décadas atrás existia um ceticismo muito grande quanto à preservação de tecidos moles em fósseis. Era considerado quase impossível de achá-los em fósseis com datações de milhões de anos. Acreditava-se que os tecidos não resistiriam mais que uns meros 100.000 anos. Mas como em ciência quem determina são os fósseis e não os pesquisadores, os fósseis com tecidos moles começaram a aparecer para desbancar os céticos.

Da BBC News:

“It has always been assumed that preservation of [dinosaur bones] does not extend to the cellular and molecular level,”[..]” “The pathways of cellular decay are well known for modern organisms. And extrapolations predict that all organics are going to be gone completely in 100,000 years, maximum. Mary Schweitzer [“Sempre foi assumido que a preservação [de ossos de dinossauro] não se estendia ao nível celular e molecular“[…]“Os caminhos para a deterioração celular dos animais modernos são bem conhecidos. Extrapolações preveem que todo o material orgânico desapareça por completo em 100,000 anos, no máximo.“ Mary Schweitzer] [“Grifo nosso”]

Da NCbuy:

“It is usually hard to find DNA that is older than 100,000 years, and work on fossilized DNA mostly focuses on material that is a few tens of thousands of years old, at most.” Anders Goetherstroem [“Geralmente é difícil encontrar ADN que tenha mais de 100.000 anos, e trabalho com ADN fossilizado centra-se, principalmente, em material que é de algumas dezenas de milhares de anos, no máximo.” Anders Goetherstroem]



1 Comentário so far
Deixe um comentário

Concordo com o comentário de vcs!!!!

Sempre houve à descrença de que tecidos moles, celulas sanguineas e etc. era impossivel se sobreviver a mais de 100 mil anos.

Muitos evolucionistas criticavam os criacionistas, afirmando que se tivesse ocorrido um diluvio universal, haveria inumeros fósseis com tecidos moles. Mas hj a história esta mudando.

Como vcs bem citaram:

“Extrapolações preveem que todo o material orgânico desapareça por completo em 100,000 anos, no máximo.“ Mary Schweitzer

a paz

Comentário por Jackson




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: