Creation Science News


Estudo diz que corpos no Atacama viraram múmias pela ação do clima
14/08/2012, 4:19 AM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

Indivíduos da cultura Chinchorro viveram no Chile e Peru há 5 mil anos. Aridez do deserto e tecnologias da época podem ter favorecido processo.

Corpo mumificado é descoberto no deserto do Atacama, no norte do Chile

Cientistas chilenos dizem que corpos mumificados achados no deserto do Atacama, no norte do país, foram preservados pela ação do clima.

Os resultados estão publicados na edição desta semana da revista americana “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).

Desde 1917 foram descobertos, em bom estado de conservação, vários indivíduos da cultura Chinchorro, formada por pescadores e coletores que também viviam no sul do Peru, há 5 mil anos. Isso significa que essas múmias são 2 mil anos anteriores às egípcias.

Agora, os pesquisadores atribuem esse fato ao clima árido do Atacama – o deserto mais seco do mundo –, o que teria dificultado o processo de decomposição dos cadáveres.

Múmia da cultura Chincorro é de uma mulher com peruca de cabelos humanos (Foto: Bernardo Arriaza)

O cientista Pablo Marquet e colegas da Pontifícia Universidade Católica do Chile também não descartam a possibilidade de que o próprio povo Chinchorro tenha mumificado seus mortos. Isso porque, na época em que eles viveram, havia uma maior disponibilidade de água doce e marinha, o que teria resultando em um crescimento populacional e em inovações culturais e tecnológicas suficientemente avançadas para preservar os corpos.

Segundo os autores, a paisagem cheia de múmias levou a população local a cultuar os mortos.

G1

Referência:

1. Pablo A. Marquet, Calogero M. Santoro, Claudio Latorre, Vivien G. Standen, Sebastián R. Abades, Marcelo M. Rivadeneira, Bernardo Arriaza and Michael E. Hochberg “Emergence of social complexity among coastal hunter-gatherers in the Atacama Desert of northern Chile” (Proceedings of the National Academy of Sciences – PNAS, 13 August 2012, doi:10.1073/pnas.1116724109)


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: