Creation Science News


De que forma é que as asas das borboletas refutam a teoria da evolução?
28/12/2013, 9:04 PM
Filed under: :::::: PUBLICAÇÕES: A - Z ::::::

De que forma é que as asas das borboletas refutam a teoria da evolução5

Por Brian Thomas – Qual é a melhor forma de repelir a água? Pesquisadores escrevendo para a revista Nature publicaram recentemente alguns resultados em torno de superfícies que imitam as pequenas escamas das asas das borboletas.(1) As asas destes insetos resistem a água com uma eficiência maravilhosa que pode inspirar melhores resultados em tudo – desde material têxtil até parques eólicos e motores de aeronaves.

A água desliza em superfícies lisas, e como tal, os repelentes de água têm sido tipicamente baseados nas folhas de plantas tais como o lótus. Neste novo estudo, um grupo de engenheiros do MIT revestiu superfícies de silicone com sulcos minúsculos que se assemelham às escalas das asas das borboletas. Nesta superfície, as gotas de água foram repelidas de uma forma 40% mais rápida do que nas superfícies com tecnologia baseada nos lótus.(1)

O grupo testou com superfícies por eles criadas, bem como com as asas das borboletas Morpho e com as folhas das plantas.

De que forma é que as asas das borboletas refutam a teoria da evolução

O autor principal do estudo, Kripa Varanasi, disse o seguinte à BBS News:

Há anos que a indústria tem copiado o lótus. Eles têm que começar a pensar em copiar as borboletas e os nasturtiums. (2)

Nasturtium é o nome científico dado às plantas de agrião.

A equipe gravou imagens de vídeo de gotas de água a colidir com o seu material rugoso arquitetado e a partirem-se pela metade, a formarem uma coroa de gotas, e a serem repelidas. Depois de resultados como este, será que há espaço para melhoria? Varanasi disse:

Os nossos estudos usaram cristas [inglês: “ridges”] únicas, mas as asas de borboletas têm cristas que se cruzam e elas partem as gotas em quatro.(2)

Um clip de vídeo que acompanha o abstrato do artigo na Nature ilustra porções deste conceito.(3)

Estudos prévios em torno da tecnologia dos repelentes de água focaram-se em imitar a camada de cera encontrada sobre as folhas de lótus. Ironicamente, tornar uma superfície lisa – o método mais intuitivo – não fez o que era necessário de maneira igualmente eficiente. Pequenos altos espaçados com o mesmo intervalo tal como as cristas nas asas das borboletas repeliram mais a água ao reduzirem o tempo que a água dura sobre essa superfície.

Essas cristas têm o tamanho exato e a forma exata para fragmentar as gotas de água em esferas mais pequenas que rapidamente se dispersam. E quanto mais rapidamente a água escorrer, mais seco o objeto permanece. Estas superfícies “super-hidrofóbicas” podem se revelar revolucionárias em coisas como casacos para a chuva e asas de avião de elas pudessem ser criadas de modo a que durassem e fossem eficientes. (2)

Quantos mais de perto os engenheiros copiam as características criadas por Deus, tais como as asas das borboletas, mais perfeitas ficam as soluções de engenharia.

ICR – Institute for Creation Research

Referências:

1. Bird, J. C. et al. 2013. “Reducing the contact time of a bouncing drop” (Nature, 503 (7476): 385-388, doi:10.1038/nature12740)


2. Morgan, J. “New waterproof surface is ‘driest ever.’” (BBC News, Posted on bbc.co.uk November 20, 2013, accessed November 21, 2013)

3. “Stay dry with a bounce” (NatureVideo online video. Posted on nature.com, accessed November 21, 2013).


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: